30 de jun de 2016

Polícia Civil e Ministério Público realiza operação na Emasa; Diretor foi preso em condução coercitiva

A polícia civil cumpre mandados de busca e apreensão para investigar irregularidades na Empresa Municipal de Águas e Saneamento (Emasa). A polícia conduziu dois diretores, coercitivamente, para o complexo policial.
A operação para investigar antecipação de pagamento a dirigentes da empresa e fornecedores foi solicitada pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA). A busca e apreensão foi autorizada pelo juiz substituto da 2ª Vara Criminal  Marcos Adriano Ledo. Dois diretores estão sendo ouvidos no Complexo Policial de Itabuna.
Informações sobre a operação devem ser concedidas pelo MP e polícia após os depoimentos dos dirigentes conduzidos da Emasa e de suas residências para o complexo policial. A ordem foi para apreender contratos de locação de máquinas, retroescavadeiras e carros-pipas no período de dezembro do ano passado e março deste ano, além de controle de jornada dos equipamentos contratados.
A ordem também prevê busca e apreensão de adiantamento de vencimentos dos diretores e os contracheques destes dirigentes relativos ao período de janeiro de 2013 a junho deste ano. Um dos alvos da operação é fornecedor de serviços da Emasa. O magistrado mandou apreender documentos de locação de equipamentos e controle de jornada de Raimundo Ferreira Cruz Júnior.